jueves, 1 de diciembre de 2016

Crepúsculo Dos Idolos (Brazil)







T: Saludos Tenebrae! Porque el nombre de Crepúsculo Dos Ídolos? Han leído El crepúsculo de los ídolos un libro escrito en 1888 por el filósofo alemán Friedrich Nietzsche? De ahí quizás proviene el nombre de la banda?

Tenebrae: Saudações a ti Carlos e aos leitores da TchorT Zine. Temos conhecimento não apenas do livro homônimo, mas de outras obras de Nietzsche. Dois dos membros da horda possuem graduação em Filosofia e admiram muito a obra deste grande poeta-filósofo que foi Nietzsche. Quando o nome foi escolhido eu não fazia parte da banda ainda. A meu ver o livro é bastante técnico e envolve uma crítica contundente acerca de grandes pensamentos tidos como verdadeiros, tais como a crença no sujeito, a crença na linguagem enquanto forma de discorrer sobre o real, a crença na própria materialidade do mundo e outros. Com o avanço das ciências a partir do Movimento Iluminista, estas passam cada vez mais a tomarem o lugar ocupado pela religião e a verdade torna-se o novo Deus, o novo Ídolo. Nietzsche era tanto avesso a um Deus criador, regulador e mantenedor do universo quanto à existência de Verdades Absolutas. Em suma, para ele, uma verdade deste tipo era apenas uma variação do conceito de Deus. A expressão “Crepúsculo dos Ídolos” quer se referir, desse modo, ao fim de todo e qualquer dogma, seja ele Deus, Demônio ou Verdade. Este nome nos influenciou imensamente nas primeiras duas Demos, nas quais criticamos mordazmente o cristianismo e seu análogo indissociável, o satanismo. Mas, como Iezide falará adiante, o nome vai adquirindo um significado diferente com o passar do tempo, a horda Crepúsculo dos Ídolos segue formando sua identidade e seu nome transcende esta proposta inicial, mas conserva ainda o vigor da luta contra os dogmas limitantes. O crepúsculo, enquanto fim do dia está prenhe do amanhã, seu tom é escuro, mas ainda conserva em si os raios da luz solar. A mistura de trevas e luz garante que mesmo na hora mais escura, surgirá um novo ciclo.

Iezide: 93! O Homem não escolhe. A “escolha” se dá no Homem. Nós fizemos uma lista com alguns nomes sugeridos pelos primeiros membros da banda. Somente eu sabia da associação deste nome com o Livro de Nietzsche, mas este foi o nome unânime escolhido por nós. Até hoje minha mente me dá novos significados para o nome “Crepúsculo dos Ídolos”, somente há alguns meses atrás eu me dei conta da relação entre o fenômeno natural crepúsculo com Anubis, outro fenômeno natural. Mas isso é outra coisa.

Crepuscular.
Ser do limiar.
Nem aqui e nem lá.
Nem vivo e nem morto.
Nem escuridão e nem luz.
Transita livremente sobre os mundos.
“imundos, aqueles que estão lá ou aqui, e permanecem”, tu diz.
Crepuscular.
Seu lar é vagar.
Anúbis.
O púbis da vida abriu suas passarelas.
O que és tu se não estás nem vivo e nem morto?
No porto aonde chega o seu barco te reconhecem como “aquele que não mora”.
Desforra Anúbis.
Não está você livre?

T: Tienen formados desde el 2004 lanzaron dos demos: Crepúsculo dos Ídolos “Crepúsculo dos Ídolos” y Crepúsculo dos Ídolos - “Babilônia 666” que tal les fue con estos demos?

Iezide: Fiquei muito satisfeito por estes dois primeiros álbuns. Cada obra é a manifestação de uma certa interioridade do artista. O primeiro trabalho (Crepúsculo dos Ídolos), falando das letras, é uma guerra contra as religiões como o cristianismo e o satanismo (aquele de vertente bíblica). O segundo é um álbum thelêmico, “Babilônia 666” fala de entrega.

Kether: Vejo que em um quadro geral, as pessoas responderam melhor à nossa segunda demo “Babilônia 666”. Muitas pessoas nos lembram de músicas da nossa primeira demo como: “Divina Blasfêmia”, “Vísceras de Sirius”, “Babalon” entre outras, mas não ouvimos mais grande repercussão da primeira demo na mídia especializada. Em contrapartida, alguns meses atrás – novembro de 2012 para ser mais exato – ainda encontramos matérias sendo divulgadas sobre a “Babilônia 666”. Obviamente que não vejo isto como um demérito, ou como se nossa primeira demo fosse menos importante, pois afinal foi ela quem deu o pontapé inicial.
A demo “Crepúsculo dos Ídolos” foi a cristalização de todo um surgir e ressurgir. Digo ressurgir, pois a própria formação dos integrantes da banda ainda era instável; eu, por exemplo, entrei depois da saída do baixista que estava desde o começo. E surgir, por ser a partir desta demo, que passamos a ser vistos, que lançamos as bases ideológicas e sonoras do que somos. Resumindo, ela é um elemento concreto extremamente carregado de significados.

Tenebrae: A horda C.D.I. (Crepúsculo dos Ídolos) sempre foi original e nossas demos têm a mesma duração de um Full-Lenght; cada álbum nasce como uma criatura gerada pelo ser Crepúsculo dos Ídolos, e por isso têm, e sempre terão, o nosso apreço. Cada demo era o resultado do nosso melhor e nos sentíamos muito satisfeitos após cada criação, após cada música composta, após cada gravação. O reconhecimento não veio muito cedo. Quando ouvimos nossos primeiros trabalhos, percebemos as limitações das gravações; a qualidade sonora não é das melhores, tudo foi feito com poucos recursos e de modo absolutamente independente; no entanto, não creio que isto manche a nossa imagem, as composições são boas, as letras da primeira demo são extremamente fortes e as da segunda demo são extremamente entusiásticas; são ótimos trabalhos. Não vejo a limitação técnica da gravação como algo a se lamentar, mas sim como o registro do que vivemos na época; naquelas gravações reside a sonoridade respectiva à personalidade daquele tempo, daquilo que vivíamos. Gosto da diferente sonoridade de cada período de uma banda e creio que especialmente os fãs do Underground sabem como apreciar isso. Já pensamos em regravar as demos, pois as músicas são muito boas, mas ao mesmo tempo gostamos da idéia de conservar esta personalidade sonora.

T: Su CD debut es con “Thoth” con 9 excelente temas nos puedes contar más de este CD? De Las letras de cada canción? Cuál es la temática de sus letras?

Iezide: Este trabalho foi baseado no Tarot. O Tarot é uma forma de se descrever os elementos da natureza. É como dizer que a música “Volúpia” descreve um elemento da natureza. Para os místicos e para alguns cientistas, não há diferença entre os sentimentos e a constituição natural e biológica das coisas. A “Morte” ou o “Diabo”, figuras do Tarot descritas nas músicas, são substâncias vivas presentes nos acontecimentos da natureza.

Tenebrae: Em termos musicais, todos os integrantes concordam que foi um salto. A atmosfera criada neste CD foi algo único. As composições ganharam identidade e consistência. As gravações de teste, desde a primeira música nos surpreenderam. Também foi um CD que nos desafiou no que diz respeito à sua gravação. Gravar um CD de qualidade, de modo independente, com poucos recursos e sem nenhum técnico para auxiliar na gravação foi algo bastante difícil e trabalhoso. Thoth representa para nós “superação”, em todos os sentidos, não apenas musical ou técnicamente, mas também na esfera pessoal.

T: Que representa para ustedes la caratula del CD “Thoth”?

Iezide: Esta figura possui vários significados, dependentes da época em que o símbolo é empregado e do nível de compreensão de cada observador. O Homem está pendurado de cabeça para baixo. Inverteu-se aquilo que se chama Homem, ele está invertido. Ele está pendurado como um morcego. O morcego se alimenta do sangue que não é dele. O Homem não existe mais. É uma iniciação, é uma morte, uma morte voluntária, é uma entrega, um sacrifício de si, voluntariamente, para algo maior. Uma morte por enforcamento, e a pessoa quer se enforcar. Antes esta carta se chamava “O Enforcado”, agora é “O Homem Pendurado”. O Homem está pendurado pelas pontas dos pés pela cruz que representa a caminhada.

T: Como les ha ido con la distribución del CD. “Thoth” y porque el titulo?

Tenebrae: Já possuíamos alguma visibilidade no cenário brasileiro com as nossas duas demos. Com o lançamento do “Thoth” essa visibilidade aumentou consideravelmente. Ele foi muito bem recebido pela crítica especializada. A distribuição foi feita em grande parte pela Black Goat Productions; há exemplares do “Thoth” rodando por todo Brasil e também pela Europa. Agora estamos buscando uma maior divulgação pela América Latina que é a nossa casa e que é o lugar onde a nossa festa pode realmente acontecer. Quanto ao título do álbum “Thoth”, pois bem, ele se refere ao baralho de tarot desenvolvido pelo ocultista inglês Aleister Crowley: “O Baralho de Thoth” como é chamado. Thoth é o Deus egípcio da Sabedoria, é também o mensageiro. Deixo maiores considerações acerca do título para Iezide.

Iezide: Pois bem, como dito, o tema do CD é o Tarot. O Tarot é uma descrição do universo. Quem descreve o universo, qualquer um, qualquer pessoa que descreve o universo, o próprio ato de se descrever algo, de escrever, de tabular ou organizar, este ato é um ato natural representado por um impulso natural tipificado simbolicamente por Thoth, o arquétipo da sabedoria, da descrição, da escrita, da magia, da ciência etc. A sabedoria possui vários nomes descritivos, a própria palavra sabedoria, também Thoth, Tahuti, Hermes, aqui no Brasil, pela umbanda, “Preto Velho” etc. O Símbolo é estéril, o que está por detrás do símbolo é vivo.

T: No hay duda que su estilo es un brutal e infernal Black metal, que bandas influyeron en su estilo para crear estas insanas melodías?

Iezide: É muito difícil dizer o que me influencia. Influência para mim é identificação. Acredito que cada sentimento e pensamento possui um ritmo, um modo musical. O sentimento-musical que se manifesta em mim tem origem religiosa, mística, filosófica. Também tem origem mórbida, infernal, no sentido de subterrânea, do escondido, do oculto, do que está por detrás da vida ordinária. Também tem origem bélica, de guerra, de força e fogo, de vigor, de poder. Nós fazemos músicas de poder.

T: Que tal trabajar con C.D.I Records y Black Goat Productions? Reciben el apoyo suficiente para difundir su música?

Tenebrae: Tivemos inúmeros contra-tempos, especialmente pelo fato de morarmos na região sul e nossa produtora ser da região norte do país, o que acaba gerando algumas dificuldades, mas nada que não se possa superar. Em suma, foi uma parceria muito produtiva. O Flavio (Black Goat Prod.) tem feito um trabalho excelente na distribuição. O reconhecimento a nível nacional também têm aumentado muito depois do lançamento do nosso Debut, creio que há muitos bangers ouvindo C.D.I. O que tenho a dizer é que isso é fruto de toda uma equipe e de pessoas empenhadas no underground. As zines são um ótimo meio de divulgação e somos gratos por seu trabalho; temos feito um grande número de entrevistas e as fazemos com imenso prazer. Também contamos com o apoio do Baron Von Causatan que apresenta alguns programas na webradio Dark Radio (www.darkradio.com.br) e está à frente da Vampiria Records. Quanto a C.D.I. Records, pois bem, todas as nossas demos e também o nosso Debut Album foram gravados em um Home Studio. Valorizamos muito o fato de nós mesmos sermos os produtores do nosso trabalho, quem dá o crivo final somos nós; e já que é assim e, de acordo com o mercado do metal, não há previsões de que uma gravadora invista no nosso trabalho, decidimos criar nossa própria gravadora, e foi aí que surgiu a idéia da C.D.I. Records, uma gravadora para gravar exclusivamente o material da “Crepúsculo dos Ídolos”. Mas não pensem em nada muito colossal, o “Thoth”, se comparado com outras produções de outras bandas, foi gravado com recursos bastante limitados, basicamente alguns microfones, um computador e uma mesa de som numa salinha apertada revestida com caixas de ovo. Apesar disso, estamos extremamente satisfeitos com o resultado, depois de alguns meses trabalhando na finalização das gravações, atingimos uma boa qualidade. Nós, enquanto integrantes, também fazemos nosso papel na divulgação e creio que o underground ainda não pode se dar ao luxo de deixar toda divulgação por conta dos produtores; quem vive neste meio sabe o quanto o público é restrito e seleto. O que oferecemos não serve para qualquer um; o underground habita a pequena linha que divide a popularização e a extinção.

T: Con que bandas han compartido escenario? Y en que ciudades han tocado?

Tenebrae: Já tocamos com bandas como Imperious Malevolence, Blackmass, Carnivore Mind, Vomitification, Hellbefore, Holder, Subtera, Hazy Hamlet, Sacro Goat, En Fandens Rider, Headtrashers, Evil Cult, Holcaust Winds, Diabolical Hate e uma porção de outras bandas que já nem existem mais. Tocamos geralmente em cidades vizinhas de onde moramos, creio que a mais famosa delas seja Foz do Iguaçu, a cidade das Cataratas. Em 2012 fizemos um show em Mato Grosso do Sul, perto da divisa com São Paulo.

T: Como vez la escena Black Metal de Brasil? Existe muchas bandas de Black Metal recomiendas algunas en especial?

Tenebrae: A meu ver a cena conta com pouquíssimo apoio aqui no Brasil, já deixamos de fazer vários shows porque o produtor não queria sequer pagar as despesas com passagem. Quase todas as bandas tocam de graça, porque de outro modo não se toca por aqui. Creio que nem os produtores nem o público valorizam as bandas. Geralmente há uma programação de bandas muito extensa o que acaba cansando o público e aumentando muito o custo do show. Por aqui existem sim, muitas bandas de Black Metal, mas poucas se mantém ativas, a maioria se desfaz. Dentre as melhores bandas de Black Metal aqui do Brasil eu destacaria Vultos Vocíferos, Torqveren, Amen Corner, Miasthenia, Blackmass e Evilwar.

T: Actualmente trabajan en nuevos temas para el siguiente CD? Que planes para la banda?

Iezide: Sou avesso a idéia de plano ou meta. Mas, acredito que posso antecipar algo do que irá acontecer, embora ache isso um cálculo com números que ainda não existem. Mas o próximo álbum falará sobre sexo em sua maioria. Falará de uma maneira especial sobre o sexo. O sexo enquanto magia. Magia Sexual. Também, acredito que o próximo CD, o “Álbum 4”, trará uma guerra impetuosa contra os mulçumanos, os islâmicos e judeus, estes monstros que devem ser eliminados da face da terra.

Tenebrae: Para este ano de 2013 desejamos gravar nossa 4ª obra, já estamos em processo de finalização das composições, esse é o nosso foco para este ano. Também estamos planejando alguns shows por São Paulo. No entanto, tudo isso depende da confluência de vários e complexos fatores; possa o universo engendrar as causas que operem em favor desses fenômenos.

T: Algunas Palabras finales para los lectores de The Legion Of TchorT Zine y donde podemos adquirir su mercancía?

Tenebrae: Deixaremos alguns links de sites que comercializam nosso Debut álbum (Thoth); o material também pode ser solicitado diretamente conosco. Agradecemos imensamente o espaço cedido para a exposição do nosso trabalho. Agradecemos especialmente o interesse dos leitores que dedicaram um pouco de seu tempo para ler esta entrevista.
Que cada um pergunte a si mesmo o que realmente quer, que cada um se conheça o suficiente para não se deixar enganar por falsas vontades ou por vontades egoístas e superficiais; precisamos acabar com este mau-costume de apontar o dedo para a existência (eu chamo a isto estar além do bem e do mal), que cada um olhe para si mesmo antes de se queixar das circunstâncias a seu redor, na maioria das vezes somos nós mesmos que nos colocamos em tais circunstâncias. E então eu vos digo “Faça o que tu queres”, pois, na verdade, não existe outro direito ou outra possibilidade senão essa. Um grande abraço a todos, especialmente a ti Carlos, por ter nos concedido esta entrevista. Deixo alguns links para aqueles que quiserem acompanhar nosso trabalho.


Para Shows contactar: management@vampiriarecords.com

Para adquirir material:
Sites de fora do Brasil:

Sites brasileiros: